.

I N T E R N A U T A S-M I S S I O N Á R I O S

SOMOS CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS

e RESPEITAMOS TODAS AS RELIGIÕES.

LEIA, ESCUTE, PRATIQUE E ENSINE.

PARA PESQUISAR NESTE BLOG DIGITE UMA PALAVRA, OU UMA FRASE DO EVANGELHO E CLICA EM PESQUISAR.

terça-feira, 11 de julho de 2017

-A PARÁBOLA DO SEMEADOR-José Salviano.

15º DOMINGO DO TEMPO COMUM


16 de Julho de 2017
Cor: Verde
Evangelho - Mt 13,1-23


1Naquele dia, Jesus saiu de casa
e foi sentar-se às margens do mar da Galiléia.
2Uma grande multidão reuniu-se em volta dele.
Por isso Jesus entrou numa barca e sentou-se,
enquanto a multidão ficava de pé, na praia.
3E disse-lhes muitas coisas em parábolas:
'O semeador saiu para semear.
4Enquanto semeava,
algumas sementes caíram à beira do caminho,
e os pássaros vieram e as comeram.
5Outras sementes caíram em terreno pedregoso,
onde não havia muita terra.
As sementes logo brotaram,
porque a terra não era profunda.
6Mas, quando o sol apareceu,
as plantas ficaram queimadas e secaram,
porque não tinham raiz.
7Outras sementes caíram no meio dos espinhos.
Os espinhos cresceram e sufocaram as plantas.
8Outras sementes, porém, caíram em terra boa,
e produziram à base de cem,
de sessenta e de trinta frutos por semente.
9Quem tem ouvidos, ouça!'
10Os discípulos aproximaram-se e disseram a Jesus:
'Por que tu falas ao povo em parábolas?'
11Jesus respondeu:
'Porque a vós foi dado o conhecimento
dos mistérios do Reino dos Céus,
mas a eles não é dado.
12Pois à pessoa que tem,
será dado ainda mais, e terá em abundância;
mas à pessoa que não tem,
será tirado até o pouco que tem.
13É por isso que eu lhes falo em parábolas:
porque olhando, eles não vêem,
e ouvindo, eles nóo escutam, nem compreendem.
14Deste modo se cumpre neles a profecia de Isaías:
`Havereis de ouvir, sem nada entender.
Havereis de olhar, sem nada ver.
15Porque o coração deste povo se tornou insensível.
Eles ouviram com má vontade e fecharam seus olhos,
para não ver com os olhos, nem ouvir com os ouvidos,
nem compreender com o coração,
de modo que se convertam e eu os cure'.
16Felizes sois vós, porque vossos olhos vêem
e vossos ouvidos ouvem.
17Em verdade vos digo,
muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes,
e não viram,
desejaram ouvir o que ouvis,
e não ouviram.
18Ouvi, portanto, a parábola do semeador:
19Todo aquele que ouve a palavra do Reino
e não a compreende,
vem o Maligno e rouba o que foi semeado em seu coração.
Este é o que foi semeado à beira do caminho.
20A semente que caiu em terreno pedregoso
é aquele que ouve a palavra
e logo a recebe com alegria;
21mas ele não tem raiz em si mesmo, é de momento:
quando chega o sofrimento ou a perseguição,
por causa da palavra,
ele desiste logo.
22A semente que caiu no meio dos espinhos
é aquele que ouve a palavra,
mas as preocupações do mundo e a ilusão da riqueza
sufocam a palavra, e ele não dá fruto.
23A semente que caiu em boa terra
é aquele que ouve a palavra e a compreende.
Esse produz fruto.
Um dá cem, outro sessenta e outro trinta.'
Palavra da Salvação.(CNBB).



Cada um de nós recebe a semente da palavra de Deus de acordo com o seu mundo interior. Uns são indiferentes, nem a ouvem, não se importam, apenas ignoram. Alguém precisa dizer a esses, que Jesus disse que quem não crer, já está condenado!
Outros ouvem, mas em seguida esquecem, e continuam vivendo como se esta vida não fosse uma estadia temporária.
O autêntico cristão é aquele que possui uma mente semelhante a terra boa e fértil. Ele recebe a palavra de Deus com amor, com fé, e boa vontade, e procura multiplicá-la espalhando-a pelo mundo semelhante ao semeador que jogava as sementes sobre os vários tipos de solos. E assim este cristão produz muitos frutos para o Reino dos céus.
PARÁBOLAS - Para que as pessoas humildes pudessem entender a sua mensagem, Jesus inventava estorinhas baseadas na realidade cotidiana daquele povo humilde, usando uma didática apropriada ao público ao qual Ele se dirigia. Jesus fazia discursos de uma forma bem simples para as multidões que o seguiam, e essas estorinhas receberam o nome de  parábolas.
A parábola do semeador é a primeira de uma série de sete, através das quais, O Mestre explicava o significado do Reino de Deus, ou o Reino dos céus.
Essas parábolas eram fáceis de compreender, somente para os homens simples. Pois Jesus visava mostrar o Reino de Deus primeiramente a eles. Por isso falava em uma linguagem em que eles entendiam.
 No entanto, por serem palavras cheias de figuras, as parábolas só poderiam ser compreendidas por quem tivesse fé. Os arrogantes, orgulhosos, os cheios de si, não poderiam entender uma mensagem escondida em uma estória cheira de uma linguagem baseada na vida simples dos pobres. Aquele não era o seu mundo de fartura, de luxo, de conforto e desperdício. Por isso não entendiam nada! Jesus não estava falando a sua linguagem, e sim a linguagem dos excluídos, porque Jesus preferiu os pobres.  Justamente porque Ele já sabia que eles, os ricos, não estavam dispostos a ouvir e seguir seus ensinamentos. Por isso, apesar do seu plano de salvação ter sido preparado para toda a humanidade, Ele nem perdia seu tempo tentando converter os arrogantes, os soberbos, aqueles que se bastam a si mesmos, os insensíveis às coisas dos Céus!
ENTENDENDO A PARÁBOLA DO SEMEADOR:
A semente que caiu a beira do caminho, no chão duro, pisoteado, e por isso não tendo germinando, logo vieram os pássaros e as comeram, é semelhante as pessoas que até  ouvem a palavra de Deus, porém, não a entendem por não se interessar por ela, por não ter fé o suficiente e boa vontade para assimilar a mensagem de vida. Pois suas mentes estão travadas, fechadas, indisponíveis para Deus. Aí é um prato feito para o maligno arrancar de várias maneiras o que foi semeado em suas mentes.
 A semente que caiu em um terreno pedregoso, é semelhante àqueles que até gostam de ouvir a explicação da palavra de Deus, e podem até elogiar um bom sermão, uma boa homilia.  Mas não passa de um entusiasmo passageiro. São pessoas de pouca fé, como plantas sem raízes que murcham e morrem com o calor das pedras aquecidas pelo sol.  O calor das pedras representam as perseguições aos que denunciam as injustiças, ou os sofrimentos desta vida que surgem sem menos se esperar, e nos deixam pasmados, e alguns até perguntam: Cadê Deus? É nesta hora que muitos fazem como Pedro na noite em que Jesus foi entregue. Desistem de serem cristãos para não serem condenados.
A semente que caiu no meio dos espinhos, é semelhante a todos que ouvem com respeito e alguma devoção a palavra de Deus. Porém, ao voltar da igreja para suas casas, esquecem tudo o que ouviu por causa da riqueza, do conforto, das preocupações com novos investimentos ou com a proteção dos seus bens materiais. Tudo isso sufoca a palavra de Deus que foi semeada recentemente em suas mentes, e por causa de tudo isso, tais pessoas, apesar de não serem necessariamente más, não dão nenhum fruto para o Reino de Deus.
Já a semente que caiu em terra boa e fértil, são aqueles que ouvem a palavra de Deus com atenção e boa vontade, por isso a compreendem. Em seguida saem em campo para semear a semente que é a palavra.  Seja por meio de palestras, encontros, homilias e sermões, ou por meio de seu próprio testemunho de vida. Tais pessoas dão muitos frutos para a construção de um mundo melhor, menos egoísta, menos injusto e menos violento.
O solo é importante para o plantio. Os agricultores sabem muito bem que não adianta chuvas regulares, se o solo é de má qualidade. Mesmo com adubagem vigorosa e chuvas normais, é difícil conseguir uma boa colheita plantando em uma área de pura areia.  Solo cansado, pisoteado, pedregoso, mesmo germinando a semente com a chuva, as plantas não crescem e seus frutos são ruins ou pela metade.
Porém, o fator número um do crescimento das árvores, é a água da chuva, a qual já traz em si, o adubo necessário para o seu crescimento. Uma prova disso é o fato de que a maior e mais rica floresta do Planeta Terra, a floresta amazônica, não se apoia em um solo fértil, e sim arenoso. Ao contrário do que pensavam os exploradores europeus ao chegarem na América, grandes florestas não significam solos férteis, mas lugar de clima úmido, ou chuvoso. Sobrevoando uma vasta área, podemos entender os tipos de climas dos diferentes espaços que vemos: o lugar de nenhuma vegetação, é o resultado de nenhuma, ou quase nenhuma chuva; vegetação rala, do tipo caatinga, demonstra que o clima é semi-árido; vegetação densa, é o resultado de fortes e constantes chuvas.
Sendo assim, Deus fabrica o alimento das árvores e plantas nas descargas elétricas formando o ÁCIDO NITROSO, conhecido como ADUBO NITROGENADO, que ao cair no solo tem duas funções: Desintegrar a rocha matriz (rocha dura) transformando-a em solo, ou terra solta, para apoiar ou segurar as raízes e sustentar as plantas e árvores. A outra função desse ácido nitroso é de alimentar as árvores fazendo-as crescer e dar frutos. O solo da maior parte da floresta amazônica é formado de uma fina camada de um palmo de húmus derivado das folhas e dos troncos das árvores que caem, e logo abaixo é só areia. As raízes das árvores daquela floresta não são portanto, pivotantes (verticais), mas sim no sentido horizontal.

Nós também quando vamos semear a palavra de Deus, somos alimentados principalmente pelas forças do ALTO. É do alto que nos vem a inspiração para entender e interpretar a palavra de Deus, assim como a coragem de anunciá-la, e também denunciar as injustiças entre os homens e as mulheres. As sementes para germinar e se transformar em uma planta ou árvore, primeiro alteram-se, ou se transformam em alimento para a plantinha, e neste processo ou transfiguração, aquela semente acaba morrendo para dar vida à nova planta, ou morre pela nova planta que por sua vez ao crescer vai produzi várias outras sementes. Esse é o ciclo da vida. É preciso morrer para gerar a vida. Jesus morreu por nós, morreu para que tivéssemos vida em abundância.
Desse modo, para que possamos cumprir a nossa missão de anunciadores do Evangelho, precisamos morrer para nós. Precisamos morrer para os nossos instintos, para o conforto exagerado, para o luxo, para a riqueza extrema, para a diversão perigosa, aquela que nos arrasta para o pecado, que nos tira a vida da graça e nos afasta de Deus, dificultando o nosso trabalho de continuadores da missão de Jesus Cristo.  Porque se não estivermos na presença e na união com Deus, não conseguiremos semear a sua palavra. "Sem mim nada podeis fazer".
E você? Como anda a sua fé? Será que você está se julgando um solo improdutivo?
Veja: assim como o solo arenoso recebe a força do adubo nitrogenado, ou ácido nitroso produzido lá no alto pela descarga elétrica produzida no encontro de duas nuvens de valores iônicos diferentes, do mesmo modo também nós, podemos fortalecer a nossa fé, recebendo a FORÇA DO ALTO. Basta nos abrir para recebê-la. Basta rezar diariamente: “Senhor, aumenta a minha fé!”  rezemos o credo diariamente! E assim, pela força do Alto, teremos a nossa fé fortalecida, e mesmo sendo um solo arenoso, poderemos germinar a palavra de Deus e produzir muitos frutos. Por que para Deus nada  é impossível! 
Semeadores da palavra de Deus são os CATEQUISTAS (padres, freiras, e leigos), que podem enfrentar vários tipos de solos no exercício da sua missão.
Através de alguns exemplos podemos entender isso:
Primeiro imaginemos que você como catequista, está agora fazendo uma homilia ou palestra para um grupo de freiras, para os seminaristas, ou mesmo para uma reunião de catequistas. Nesta experiência, salvo raríssimas exceções, você se encontra semeando a palavra para terras boas, para solos férteis e preparados para receber e germinar as sementes.
Ao contrário, digamos que você se encontra em um auditório da faculdade de medicina, tentado semear a palavra de Deus em uma palestra encomendada pelo diretor daquela instituição, o qual pretende mudar a cabeça dos seus indiferentes alunos. Nesta plateia, com certeza, você está diante de solos do tipo daquele da beira do caminho, solos pisoteados, chão duro que não vai acolher a palavra, e logo o maligno a retirará das suas mentes.
Veja o que acontece quando você está dando uma palestra em uma escola qualquer, seja da periferia ou mesmo da classe média. Nessa realidade, você se encontra diante de todos os tipos de solos: Chão duro, solos espinhosos, pedregosos e ufa! Tem também solos férteis ou terra boa que vão acolher a sua mensagem que é de Cristo.
Para todos os tipos de solos, o catequista precisa se expressar com palavras próprias tentando falar a linguagem dos referidos ouvintes, porém nunca fugindo da essência da verdade revelada por Nosso Senhor Jesus Cristo.
Coragem! Vamos semear a palavra de Deus seja qual for o tipo de solo. Nós só semeamos. A outra parte, a germinação, é Deus quem cuida disso.  Ânimo! Sejamos úteis ao Reino de Deus!


Desejo-lhe um bom e santo domingo na companhia de todos os seus entes queridos-José Salviano.

Um comentário:

Anônimo disse...

Eu todos os dias faço a leitura do dia e complemento com os comentários dessa equipe para complementar meus ensinamento e por em prática muito obrigado, que o Senhor Deus continue derramando benção a todos na Paz de Cristo, Jair Ferreira.

Postar um comentário